QUAL VERSÃO DE SI MESMO VOCÊ DEIXA TRANSPARECER?


Romance, ensaio e autoficção * Editora Record * Lya Luft * 111 * 5 🌟 * Onde comprar: Amazon 


Sinopse:


Valendo-se de um gênero híbrido – mistura de romance, ensaio e autoficção –, Lya Luft traça o roteiro para a casa que se quer inventada, projetando, um a um, os cômodos, elementos e detalhes necessários a esta construção: a porta de espiar, o espelho de Pandora, a sala da família, o quarto das crianças, o porão das aflições, o pátio cotidiano, o jardim dos (a)deuses. A casa é, em um primeiro entendimento, o espaço físico, expressão de seus moradores. Mas também uma metáfora da existência: morada da família e dos afetos, da amizade e dos amores, mas também da dor, das frustações, dos traumas e até da morte, num entendimento de que tudo deve estar, harmoniosamente, ao abrigo desta casa que inventamos. Metade formada de escolhas; a outra metade, milagres.


Este livro traz uma mistura de romance, ensaio e autoficção. Vai falar sobre Penélope em sua infância quando se depara com um espelho e vê nele outra pessoa a qual chama de Pandora, que é uma menina extrovertida e sem medo de expressar suas emoções.


A princípio Penélope acha que pode estar enlouquecendo tão jovem, pois ninguém mais vê essa outra versão de si mesma. Porém, vai precisar de um tempo pra que ela entenda que desempenha vários papeis na sociedade: o que os outros pensam que ela é e o que ela realmente é.

Um livro que me fez pensar bastante sobre a maneira que agimos na frente das pessoas e quando estamos sozinhos. Todos nós temos várias versões, mas será que estamos mostrando aquilo que realmente somos ou o molde que fazem da gente? Qual a versão de si mesmo você deixa transparecer?

Que medo, esse, de rasgar o peito e espiar lá dentro, como se fosse uma casa amaldiçoada, perigosa: sabe lá o que vou encontrar, o que de verdade quero, amo, odeio, engano, que traições e perfídias gostaria de cometer ou cometi? Perigoso demais abrir essa tampa.


Eu queria me congelar no espelho, deixar de ficar ansiosa, de me preocupar, de respirar. De ter de escolher.

Você pensa que constroi uma casa de viver, mas na verdade tece sua vida. Tece todo dia, sem saber que a vida é tecer a própria mortalha. Aí, quando acorda, desfez tudo no sono, e recomeça. Acordar é recomeçar esse trabalho: o trabalho de viver.


Ela, parada ao meu lado, me fazia olhar o espelho: lá estavam claramente duas meninas iguais. Só que eu, eu mesma, sempre pareço apagada. Pandora não existe como eu: ela cintila.

E você ainda por cima quer resolver o drama de todo mundo. Mas nem consegue resolver suas próprias coisas mais bobas.


Como ser mais livre sem magoar ninguém, sem que ninguém se espante? Como sair dessa trilha sem pisar no coração dos outros, que dependem desta que sou e construí - ou me fizeram ser?


Se pararmos para ouvir, quem sabe vamos perceber a dor pelo tempo desperdiçado sentindo raiva, sendo intolerantes, difamando, mentindo, criticando com azedume, passando por cima do outro, esquecendo quem nos ama de verdade, humilhando para nos sentirmos.



Também damos adeus a pessoas - as que nos deixam sem explicação, as que se desprendem de nós porque o afeto ficou ralo demais, e sem alarde passam para um limbo de onde às vezes emergem, como de um nevoeiro, e doi um pouquinho, e pensamos: "mas o que será que aconteceu?"






Sobre a autora:


Lya Fett Luft é romancista, cronista, ensaísta, poeta e tradutora. Gaúcha de Santa Cruz, nasceu em 1938. 

11 comentários:

  1. Bom dia maus uma publicação sublime:))


    Bjos
    Votos de um óptima Terça - Feira.

    ResponderExcluir
  2. Essa é uma das minhas escritoras preferidas, é gaúcha, seguido passo pelo seu bairro. Gosto imensamente, além dos romances adoro sua poesia. Tudo o que ela faz, entrega-se. Sempre sucesso!
    Adorei vê-la aqui.
    Beijo, uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  3. Oi Monyque!

    parece ser bem interessante!
    realmente algo p refletirmos, sobre como nos mostramos!

    Bjoooooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. nossa que bacana, sempre quis ler algo da lya luft, nao sabia que abordava essa tematica, parece mt interessante essa reflexao de qual versao estamos mostrando para os outros

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito interessante, faz enxergar as coisas por diferentes perspectivas!

      Excluir
  5. Olá.
    Que interessante essa reflexão.
    Gostei muito.
    Beijinhos

    www.glamour2.com

    ResponderExcluir
  6. Muito interessante a temática do livro, nos fazendo pensar no que realmente somos e no quanto nos transformamos para sermos aceitos. Temos muitas versões.
    Bjus!

    galerafashion.com

    ResponderExcluir